Sexta-feira, 30 de Setembro de 2005
"Só um outro olhar, mais exigente, mais compreensivo e mais irreverente sobre o mundo de hoje, nos livrará das tenazes do conformismo. Para uma esquerda em processo de renovação, esse olhar tem que assumir algumas ideias chave. Essas ideias são, em primeiro lugar, a de que vivemos em sociedades liberais em que a identidade política dos indivíduos é, apenas, um dos traços da sua identidade global, sem privilégios de qualquer espécie. O indivíduo contemporâneo é um mosaico de identidades em que os aspectos profissionais ou lúdicos, familiares ou políticos, se equivalem, combinando-se de modos diversos na plenitude da sua afirmação individual.
Seguidamente, o de que convém conduzir uma interrogação séria sobre o que significam e representam nos nossos dias os partidos e as ideologias políticas, interrogação que permita conhecer que valores, que opiniões, que paixões se projectam no campo político, e de que modo tudo isto redefine a oposição entre direita e esquerda. Em terceiro lugar, a de que se impõe cortar com a visão tradicional do Estado, sobretudo com o voluntarismo de reminiscências vanguardistas que condiciona todas as transformações sociais à acção do Estado e à valorização do seu enquadramento legislativo. Por fim, impõe-se conseguir fazer passar a acção política do nível nacional em que as suas incapacidades ou os seus bloqueios são cada vez mais nítidos, para o plano supra e transnacional em que, na verdade, se decide muito, e cada vez mais, do que é fundamental."

- Manuel Maria Carrilho


publicado por ag às 20:54 | link do post

Quinta-feira, 29 de Setembro de 2005
O Estado Civil do Pedro Mexia.


publicado por ag às 16:59 | link do post

Terça-feira, 27 de Setembro de 2005
Entrar aqui não é exactamente o mesmo do que entrar aqui. Ter estado aqui não é exactamente o mesmo do que ter estado aqui. Regressar daqui não é exactamente o mesmo do que regressar daqui. A fotografia tem três dias, o lugar desapareceu há sessenta anos.


publicado por ag às 22:30 | link do post

Sexta-feira, 16 de Setembro de 2005
Após o debate, a Sic Notícias transmitiu, à socapa, o momento em que os dois candidatos a Lisboa se despediram. Ou melhor, em que se tentaram despedir, já que a mão estendida por Carmona Rodrigues ficou assim a modos que suspensa no ar, sem resposta do membro equivalente do professor doutor Carrilho, que entretanto, de zangadinho, virou costas e sumiu com uma pilha de papéis sob o braço e uma pilha de cabelo sobre a cabeça. Carmona, espantado e julgo que divertido, olhou o entrevistador e comentou: “Não me cumprimentou. É extraordinário."
Extraordinário é favor. Foi, como sói dizer-se, um precioso instante televisivo. Sempre soubemos que o professor doutor era professor doutor, filósofo, amigo de EPC, moderno, cosmopolita, marido daquela senhora que comenta dez livros/dia, ousado, irreverente e pai do Não Sei Quantos. Agora, somos também informados de que o homem é sincero e, ao contrário da maioria, não finge perante as câmaras: ele parece uma criaturinha desagradável e é uma criaturinha desagradável.
PS: No Blasfémias, afirma-se que Carmona terá dito "Grande ordinário" em vez de "É extraordinário." Se calhar, ouvi mal (ai, que a idade pesa). Não importa. Vai dar ao mesmo. "Superordinário" também serviria. Ou "rasca", muito rasca.
PS2: Revi as imagens. Afinal, Carmona diz ambas as coisas: "extraordinário" e "grande ordinário". E nós dizemos com ele.


publicado por ag às 00:58 | link do post

Sexta-feira, 9 de Setembro de 2005
…vem por este meio informar o Tulius de que já esteve em Praga, sim senhor [ver imagem comprovativa (?), no Café Imperial, mas que também podia ter sido obtida em Braga, ou em Penafiel]. E que gostou muito, muito mais que de Budapeste, aliás. Excepto em dois pormenores: a comida húngara (aqueles fígados!) e, insisto, as mulheres húngaras (aqueles rins!). De qualquer modo, embora o esclarecimento seja desnecessário, esclarece-se o Tulius de isto é apenas uma opinião pessoal, e que ele, escusado dizer, tem direito à sua. Só não tem direito de retirar o Homem a Dias dos links a título de represália. Nem de partilhar calúnias sobre o sr. prof. dr. Manuel Maria Carrilho, esse sábio que um dia (ou seria de noite?) afirmou: “A imaginação e a irreverência são tão fundamentais na actividade política como a prudência e a responsabilidade”, uma frase aparentemente sem sentido mas que adquire luminosa relevância quando se sabe que Prudência era a minha avó, e Irreverência a tia do filósofo.


publicado por ag às 15:40 | link do post

Quarta-feira, 7 de Setembro de 2005
Sabem aquela historinha do Calvin em que ele encomenda um chapéu voador e depois passa os dias ansioso à espera que os correios o entreguem? Pois bem, eis a minha rotina desde que No Direction Home foi anunciado. No Calvin, a coisa terminou com uma desilusão (o chapéu não voava). Não me parece que isto vá acabar no mesmo: Dylan, em entrevistas, canções e aparições inacreditavelmente inéditas no período que realmente interessa (ou seja, até 1966). Tirando a prisão do Luís Represas por atentado ao pudor, que mais pode um homem desejar? Espreitem.


publicado por ag às 02:22 | link do post

Sábado, 3 de Setembro de 2005
O sr. György Mitnyan, que é presidente de um dos “distritos” de Budapeste, pretende aprovar uma lei que limite as saias curtas às mulheres detentoras de um perfeito par de pernas. O mesmo vale para as camisolas curtas, já que, alegadamente, poucas senhoras têm uma barriga que mereça ser exibida. Enquanto princípio genérico, a ideia é péssima, na medida em que constrange a liberdade individual e etc. Enquanto teoria aplicável, a ideia é uma maravilha, já que a proliferação de pernas desagradáveis e de adiposidades a escapar da cintura atingiu no Ocidente níveis alarmantes. Enquanto prática concreta, a ideia é estranhíssima: pelo amor de Deus, à parte o ocasional bagulho, o sr. Mitnyan vive e trabalha entre as mulheres mais lindas da Terra. Eu vi-as, com estes que a dita há-de comer. Nem francesas, nem italianas, nem brasileiras, nem americanas: o verdadeiro artigo mora na Hungria, com o Danúbio pelo meio (salvo seja). Se as moças de Budapeste levam o sr. Mitnyan aos ardores de uma proposta legislativa, o que é que ele faria após meia hora nos Restauradores? Mandava cobrir Portugal com napalm?


publicado por ag às 18:01 | link do post

Quinta-feira, 1 de Setembro de 2005
1) A Origem das Espécies, o novo blogue.

2) Artigos, Crónicas e Textos, o labour of love de um devoto.


publicado por ag às 12:05 | link do post

mais sobre mim

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Últimas

Dias Contados

A crónica do DN

A crónica da Sábado

Juízo Final

Dias Contados

2008, um lugar

2008, um filme

2008, um livro

2008, um disco

Juízo Final

Arquivo morto

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

tags

crónicas da sábado

crónicas do dn

involução da espécie

todas as tags

Outros
blogs SAPO
RSS