Sexta-feira, 29 de Agosto de 2003
Para o Comprometido Espectador, o Contra a Corrente, o Retorta e o Terras do Nunca:



Vamos com calma. Eu prefiro de longe o Leonard Cohen à Joni Mitchell. Dentro de uma certa (e discutível) linhagem pop não trocava os discos dele por nada. Tenho todas as biografias possíveis. Os vídeos. O solitário dvd. E foi dele o primeiro concerto que vi, no Dramático de Cascais, em 1985 (comecei pelo céu, depois foi sempre a descer até à abstinência actual, e não acredito que o João Gilberto venha em Outubro).

O que não me impede de reconhecer, de resto à semelhança do próprio LC em diversas ocasiões (parece que eles são velhos amigos), a muito superior musicalidade da senhorita Mitchell, tanto no período folk como nas experiências jazzy ou étnicas de «Hejira» a «Mingus». Verdade que ela não faz um grande disco há vinte e tal anos, mas o último do Cohen (ai) é uma pequenina vergonha, donde me cheira que o «The Future» (de 1992) jamais justificará o nome.

Sobre a devoção pela JM, permito-me informar (se calhar, toda a gente conhece), há um ensaio (olha a pompa) excelente do Miguel Esteves Cardoso, naquela que foi, suponho, a estreia editorial dele: é a tradução de uma palermice francesa chamada «Pop Music/Rock», para a qual o MEC escreveu um apêndice de cento e poucas páginas com uma discografia crítica da década de 70. E que, naturalmente, vale bem o livro. O livro, para aí de 1981, é uma edição da Regra do Jogo e tem, ó inclemência, o Mick Jagger na capa.



E agora três razões para que o Comprometido Espectador comece a detestar-me.

1) Gosto do Canadá, não só pelo LC e pela JM. Gosto dos lagos, das Rocky Mountains, do Jim Carrey, do Lorne Michaels, do Michael J. Fox (!). Deus me ajude: eu até gosto do «Canada Bacon», do charlatão do Moore. E gosto, acima de tudo, do hino, o mais bonito que há.

2) Gosto de folk, escola Greenwich Village. Não tanto da convencional, com «mensagem» e canga militante, mas da que foi «puxada» aos limites, pelo Dylan no «Blonde on Blonde» e pelo Tim Buckley (quase sempre). Às escondidas, porém, chego a ouvir Tim Hardin e o «Pleasures of the Harbor», do Phil Ochs.

3) A JM tem letras «lamentáveis». E outras que são um assombro, vide, por exemplo «A Case of You», do «Blue» e «Song for Sharon», do «Hejira». Ou, que se lixe a franqueza, o «Both Sides Now», que eu adoro sobretudo na genial versão para elevador do Sinatra.


publicado por ag às 15:35 | link do post

mais sobre mim

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Últimas

Dias Contados

A crónica do DN

A crónica da Sábado

Juízo Final

Dias Contados

2008, um lugar

2008, um filme

2008, um livro

2008, um disco

Juízo Final

Arquivo morto

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

tags

crónicas da sábado

crónicas do dn

involução da espécie

todas as tags

Outros
blogs SAPO
RSS