Sexta-feira, 5 de Janeiro de 2007
[Sábado, 4/1]
"A única notícia excitante sobre as câmaras municipais seria o desaparecimento de todas, e a substituição de cada uma por meia dúzia de calceteiros e uma firma de saneamento. (...)"
***
"(...) E a execução do ditador de Bagdad, em si inútil e inconsequente, é um pretexto válido: entre os que a lamentam, há os que não são capazes de partilhar alegrias com o fanatismo xiita e o regime de Teerão, e há os que se recusam a partilhá-las com os EUA. Como de costume, os últimos ouvem-se muito melhor. E, vinda deles, a rejeição da forca a título de barbárie não soa particularmente convincente. (...)"
***
" (...) Quase toda a gente sabe, logo é pueril dizê-lo, que não acontece nenhuma alteração significativa na passagem de 31 de Dezembro para 1 de Janeiro, excepção feita à subida dos preços ou, no caso dos excêntricos que aparecem nos “telejornais” a banhos no litoral, aos prováveis sintomas de uma pneumonia. (...)"
***
"Na romaria anual a Meca, é impossível escapar do fervor religioso, é difícil fugir do acidente em cadeia e, com sorte, apanha-se a proverbial declaração do peregrino “moderado”. Este ano, elejo o homem que, mediante enorme candura, confessou ao repórter dois anseios para o futuro: a vitória do Islão no mundo e a paz em todos os países. O homem não esclareceu se a ordem de realização dos desejos era arbitrária. Julgo que não era."
[Correio da Manhã, 3/1]
"Língua de fora
De quando em quando, esquecemo-nos do Bloco de Esquerda. Fazemos mal. Ao contrário do que muitos dão por adquirido, os senhores do Bloco não se dedicam exclusivamente àquelas causas “fracturantes” e tontas. Às vezes, também lhes ocorrem causas apenas tontas. E quase sempre divertidas.
Amanhã, por exemplo, será discutido na Assembleia da República um projecto de lei que visa a criação de turmas bilingues nas escolas primárias. Dito assim, já é bom. Analisado a fundo, é ainda melhor: o Bloco quer que os filhos dos imigrantes em Portugal aprendam as matérias na língua de origem; o Bloco quer dois professores por sala de aula, um de português e o outro da língua que calhar; o Bloco quer um mínimo de 30% de alunos portugueses por turma; isto porque, explicam-nos, o Bloco não quer a “guetização” (sic) dos meninos estrangeiros. De brinde, a proposta possibilita aos imigrantes no liceu a troca do inglês e do francês pela língua dos seus pais.
Convém acrescentar que estas maravilhas se inspiram num relatório de Miguel Portas, aprovado há meses no Parlamento Europeu, o que, de caminho, revela o ócio que domina a referida instituição e confirma o caos na cabeça de Miguel Portas. Falta perceber para que servem.
Certamente não servem para elevar os resultados escolares. Em França, raro e inevitável modelo de aplicação de uma coisa parecida, serviram a renovação do parque automóvel, às mãos de jovens magrebinos, isqueiros e gasolina. Mas a imigração que temos provém sobretudo do Leste da Europa e das ex-colónias. E, como se sabe, mesmo na língua de adopção as crianças do Leste tendem a ser melhores alunas que as suas equivalentes indígenas. Quanto aos descendentes dos “palops” e do Brasil, seria de esperar que falassem português. O Bloco, porém, não vai em simplismos e prevê a adopção dos próprios dialectos maternos, o que abre fascinantes perspectivas. Os petizes angolanos, para citar um único caso, poderão optar entre dezenas de linguajares, desde o quimbundo à nhaneca. Se, no nosso simplório sistema, a colocação de professores é o pandemónio que conhecemos, haverá imensa expectativa acerca da capacidade do ministério em destacar docentes de quimbundo para Oliveira do Bairro, digamos. Por mim, alimento uma expectativa particular em volta do ensino da informática em nhaneco.
No máximo, encontro duas justificações possíveis para tamanha alucinação. A primeira é ser mentira. Se não me engano, o mesmo projecto de lei surgiu em 2006, mais ou menos por esta altura, para depois desaparecer sem deixar rasto. É capaz de ser uma brincadeira ritual do Bloco, começar o ano com uma toleima recorrente e fictícia, a título de aquecimento para as toleimas a sério que se seguem.
A outra hipótese é ser uma retorcida, e sacrificial, tentativa de salvação do nosso sistema escolar e das novas gerações. As inúmeras reformas aplicadas já provaram a inabilidade das crianças portuguesas na aprendizagem do português. Talvez a sua exposição forçada ao romeno, ao ucraniano e até ao quimbundo as salve de um futuro analfabeto e, consequentemente, da adolescente simpatia pelo Bloco."


publicado por ag às 12:34 | link do post

mais sobre mim

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Últimas

Dias Contados

A crónica do DN

A crónica da Sábado

Juízo Final

Dias Contados

2008, um lugar

2008, um filme

2008, um livro

2008, um disco

Juízo Final

Arquivo morto

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

tags

crónicas da sábado

crónicas do dn

involução da espécie

todas as tags

Outros
blogs SAPO
RSS