Quinta-feira, 9 de Setembro de 2004
Com que espírito Sísifo, empoleirado, contemplava a pedra caída no sopé da montanha? Provavelmente com alegria, se comparado com o que eu sinto sempre que regresso de Vimioso. Sobretudo porque, bem vistas as coisas, equilibrar um calhau no pico de um monte também não seria o cúmulo do deleite. Ignoremos as contingências filosóficas, a logística, o castigo e suponhamos que ele cumpria a tarefa: so what? Meia dúzia de telegramas a felicitarem-no e vamos lá a descer que segunda-feira é dia de trabalho. Nada de especial, portanto.

Pelo menos, nada parecido com a beatitude que se colhe no Nordeste, em que a casa é linda, a paisagem é linda, a comida pertence ao ramo da metafísica e os dias são tão magníficos que parecem conter dentro deles dias ainda melhores (a imagem não faz qualquer sentido, mas descontem-me a pieguice – toquem, violinos, toquem).

Pois é, voltei à barbárie. E estou com uma raiva impossível (impossível o tanas). Dou um passo no chiqueiro urbano e lembro-me das caminhadas matinais pelos outeiros. Paro num semáforo e finjo-me naquele rio silencioso, tão silencioso que se ouve baixinho o ocasional Airbus em rota de cruzeiro. Sento-me num restaurante e apetece-me insultar o dono e exigir o javali do Solar Bragançano e o milho doce com puré de castanhas do D. Roberto. Chego a casa e não há maneira de evitar querer estar na minha casa de facto, que não está voltada para a Petrogal nem tem vizinhos a menos de cem metros. Vejo o rosto dos meus vizinhos e quase choro de pensar que nestas férias encontrei uma raposa, dúzias de águias, grosas de rãs, cabritos do Douro e um esquilo, que me saltou à frente num trilho de pastores. Ligo a televisão e, mais rápido que o tempo que demora a dizer-se “telejornal”, evoco as noites mornas no alpendre, com os amigos, o queijo, o vinho, as luzes das aldeias muito ao longe e o céu imenso e iluminado de constelações. E nem me falem da lagoa de Sanabria, ali a norte do Montesinho, onde, apesar dos turistas (como eu, acho), procurando bem sobra sossego e vastidão.

Ai, Sísifo, Sísifo: o que custa é descer o IP4 e carregar a vidinha.



publicado por ag às 15:50 | link do post

mais sobre mim

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Últimas

Dias Contados

A crónica do DN

A crónica da Sábado

Juízo Final

Dias Contados

2008, um lugar

2008, um filme

2008, um livro

2008, um disco

Juízo Final

Arquivo morto

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

tags

crónicas da sábado

crónicas do dn

involução da espécie

todas as tags

Outros
blogs SAPO
RSS