Segunda-feira, 25 de Agosto de 2003
Em tempo de férias, o televisor vive confinado a um encantador desprezo. A excepção, naturalmente, chega aos domingos, em que há sempre alguém (quem?) que sintoniza o aparelho na Fórmula 1. Existem inúmeros desportos chatos, mas nunca vi nenhum tão aflitivo quanto este, sobretudo se as consequências da noite de sábado irrompem a reclamar Gurosan. Aliás, nem chego a perceber o que é que a Fórmula 1 tem a ver com desporto. Há uns carros horrendos disfarçados de maços de cigarros; há uns totós com mais distintivos no traje do que um veterano da Queima das Fitas; há um buraquinho nos carros por onde os totós entram; e há bandos de malucos que pagam para assistir ao «espectáculo». Se fossem olhar os «tróleis» das romarias saía-lhes de borla, e não tinham de suportar o ruído mais asqueroso da Terra, depois da siderurgia da Maia e da voz da Dulce Pontes.

Pior: nas minhas vastas investigações, pude constatar que há gente capaz de «torcer» por uma determinada marca de automóveis. Desse grupo, 87,3% «torcem» justamente pela Ferrari, a fábrica italiana que abastece os traficantes de droga de Bogotá a Moscovo. Não tendo nada a ver com a droga, julgo eu, existe de facto um estranhíssimo culto da Ferrari entre alguns cidadãos anónimos e honestos do meu país. Trata-se de gente que estremece só de avistar um «Testarossa» ( «cabecinha corada»?), e que se baba enquanto discorre acerca da «mística» do «cavalo preto». Será um vírus?

Por mim, estou convencido de que é apenas o último estádio do capitalismo: as pessoas deixam de se rever nas famílias, nos amigos, na comunidade em que vivem, e passam a admirar empresas longínquas, sobre cujos lucros não metem prego nem estopa. Um triste dia, às bandeiras da Ferrari juntar-se-ão as da IBM, ou da Texaco, e em alegre comunhão desfilaremos à porta da bolsa de valores, celebrando o «gestor do mês», o «contrato por objectivos do ano» ou a «fusão da década».

Mal por mal, antes continuarmos a apoiar a selecção nacional de futebol. Joga que é uma desgraça, mas ao menos, e que eu saiba, ainda é património de uma única empresa, a Olivedesportos, portuguesinha e muito nossa.


publicado por ag às 11:42 | link do post

mais sobre mim

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Últimas

Dias Contados

A crónica do DN

A crónica da Sábado

Juízo Final

Dias Contados

2008, um lugar

2008, um filme

2008, um livro

2008, um disco

Juízo Final

Arquivo morto

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

tags

crónicas da sábado

crónicas do dn

involução da espécie

todas as tags

Outros
blogs SAPO
RSS