Sábado, 31 de Janeiro de 2004
Leia atentamente o seguinte texto:



Num encontro da extrema-esquerda nacional, que ele tanto combateu, o dr. Mário Soares alertou para a ameaça da extrema-direita, com a qual, em tempos, formou governo, e com a qual chegou a ser identificado - pela extrema-esquerda de que agora é figura de proa, nunca pela extrema-direita.



Explicite, justificando, as principais linhas de evolução ideológica presentes no parágrafo acima, sem recorrer a termos clínicos nem a ideais-tipo como ‘coerência’, ‘bom senso’ ou ‘vigarice’. Também se desaconselha o uso de comparações simplistas com o percurso de terceiros, particularmente o de Mitterrand, de Vichy à democracia, passando pela URSS.


publicado por ag às 12:11 | link do post

Ora então o dr. Louçã chamou ‘inimputável’ à dona Celeste. Por mim, acho óptimo que os políticos se insultem com afinco. E quanto à dona Celeste, já há muito poderia ter sido removida do Governo sem ninguém lhe sentir a falta. Só é um bocadinho bizarro o termo escolhido e o respectivo emissário. ‘Inimputável’? E um tipo que compra votos a balde? Um tipo que põe Trotsky na parede, o ‘Che’ no peito e Arafat no coração? Um tipo que anda para aí há uns trinta anos na política, em grupos e grupelhos, associações e abaixo-assinados e que nunca, que se saiba, teve a coragem ou a decência de tomar uma atitude individual, sem séquito, sem gurus, apenas levantar a voz acima do rebanho e dizer aquilo que dele não se esperaria, aquilo que não rende a euforia dos tristes - em suma, aquilo que faz a gente ser gente? E um tipo destes, o que é? Credível?


publicado por ag às 12:10 | link do post

Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2004
A propósito, sobre a forma de lidar com os nazis que reivindicam a Palestina à bomba, aconselha-se também a leitura disto.


publicado por ag às 17:56 | link do post

O Rua da Judiaria já escreveu o suficiente sobre o assunto. Gostaria apenas de repetir o link para as imagens do atentado de Jerusalém, dita cidade santa, ontem de manhã, 29 de Janeiro. No dia anterior, 28 de Janeiro, o exército israelita havia morto nove assassinos, desses que matam gente assim, desses que protegem os que matam gente assim. Algumas consciências pacificadas, perante o autocarro destruído, constatam a ‘equivalência moral’ dos actos; outras mal disfarçam o regozijo. Nem sempre a cumplicidade no crime implica o gesto. Longe de falecer em 27 de Janeiro de 1945, o espírito de Auschwitz continuou a pairar sobre os dias e os anos.


publicado por ag às 17:40 | link do post

Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2004
O Francisco escreveu sobre São Paulo. Nunca estive em cidade tão agreste; não há cidade que me volte tantas vezes à memória. Não sei se as piadas que os cariocas contam sobre Sampa são justificadas. Por vezes, são excelentes, como algumas que o Francisco lembrou. Ou como a de Nelson Rodrigues (e aqui vai a citação nº 7635 de N.R. na blogosfera portuguesa): «Não há maior solidão que a companhia de um paulista.»

Outras vezes, são absurdas, como quando Vinícius chamou a São Paulo «o túmulo do samba». Verdade que o Rio teve Noel Rosa, Cartola e Tom Jobim/João Gilberto, para citar apenas os génios e aqueles que melhor o cantaram. Mas raríssimas vezes, no Brasil e no mundo, uma cidade foi celebrada com a justeza e a dedicação que São Paulo mereceu de dois compositores, ambos bissextos e vergonhosamente subestimados: Adoniran Barbosa e Paulo Vanzolini.

Adoniran, autor de «Trem das Onze», que em versão adulterada é repertório básico de qualquer banda de feira (‘Não posso ficar, nem mais um minuto com você...’), escreveu igualmente «Tiro ao Álvaro», «Saudosa Maloca», «Samba do Arnesto» e «Vide Verso Meu Endereço». Frescos resignados e doídos da vida dos bairros e das classes suburbanas, numa lista séria das cinquenta melhores canções brasileiras de sempre, qualquer uma delas teria lugar de caras.

Vanzolini ainda é vivo, não canta (salvo excepções), não toca nenhum instrumento, é doutorado em zoologia por Harvard e uma das maiores autoridades mundiais em répteis. Até hoje, compôs 65 músicas. Duas, pelo menos, são obras-primas: «Praça Clóvis» (de que a interpretação definitiva, talvez difícil de encontrar, é de Chico Buarque) e «Ronda». «Ronda», devaneio de uma mulher ciumenta pelas noites paulistas até ao crime final (‘E nesse dia, então, vai dar na primeira edição: Cena de sangue num bar da Avenida São João’), é uma aula completa de precisão narrativa. É também um dos escassos momentos em que a música popular atinge aquele patamar de assombramento, ao qual, por conveniência, chamamos ‘arte’. Caetano Veloso roubou 14 compassos de «Ronda», além do espírito, para fazer «Sampa». Vanzolini, que é de uma discrição extrema mas não é parvo, insulta-o metodicamente nas poucas entrevistas que concede.

Nota pessoal: vai para quatro anos, troquei alguma correspondência com Vanzolini, bicho do mato, na expectativa de um encontro a que ele, para meu espanto, acedeu com a maior simpatia. Depois, por motivos com certeza irrelevantes, cancelei o encontro. Há frustrações que não nos largam vida afora.


publicado por ag às 11:55 | link do post

Foram divulgadas as médias nacionais das provas de aferição de 2002. Tanto em Matemática como em Português, confesso-me chocado com os resultados. Estes claramente indiciam que, em ambas as matérias, na ‘primária’ e no liceu, ainda existem umas dúzias de alunos que sabem fazer contas e falar a língua. Fenómeno que, digam o que disserem, ninguém estava habilitado a prever.

Já quanto ao facto de as notas descerem à medida que se avança no ano de escolaridade, nada a dizer. As consequências de uma frequência prolongada do nosso ensino são, há muito, do conhecimento comum: por cá, a escola instrói.


publicado por ag às 11:09 | link do post

Graças à sra. dona ministra do Ensino Superior, as nossas universidades poderão em breve decidir sozinhas sobre o número de alunos a admitir, bem como sobre os respectivos métodos de admissão. É a autonomia, enfim. Só tenho uma dúvida: de que universidades estamos a falar, ao certo?


publicado por ag às 11:08 | link do post

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2004
É verdade que a RTP 2 melhorou bastante, mas a façanha deve dar uma trabalheira do caraças: no que à blogosfera diz respeito, o Manuel Falcão desapareceu vai para três semanas.


publicado por ag às 00:39 | link do post

Terça-feira, 27 de Janeiro de 2004
O Manuel Dinis, leitor assíduo, diz ter-se lembrado de mim ao ler este post do Barnabé e pede-me ‘uma resposta’. Com duas semanas de atraso, aqui vai ela.



Resposta:



Caro Manuel Dinis, sinceramente não sei o que é que, no dito post, lhe fez recordar a minha pessoa. O facto de eu não gostar do «Expresso»? Odeio aquilo. O facto de eu ser amigo do João? Sou muito e com muito orgulho.

Ou terá sido a opinião do João sobre «O Senhor dos Anéis», a que o tal post faz referência? Neste caso, lamento: o João leu e viu os livros e os filmes; eu mal sei quem foi o sr. Tolkien. O João é cristão ou, pelo menos, cresceu partilhando uma concepção cristã do mundo (ele menciona-o explicitamente no artigo em causa?); eu sou ateu e nunca tive qualquer familiaridade com o cristianismo. Em resumo, só posso informá-lo de que não costumo ver «o bem e o mal em confronto perpétuo». Normalmente, só vejo o mal - salvo excepções, com rédea solta. Mas o João sabe imensamente mais do que eu.



Nota adicional: continuo a não comprar o «Expresso». A amizade tem subtis formas de contornar os obstáculos.


publicado por ag às 17:02 | link do post

Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2004
Não tenho muito a dizer sobre a morte de Fehér. Apenas que foi triste, que a transmissão directa do momento ampliou a tristeza, e que a excitação ‘conspirativa’ subsequente não me parece uma elegia digna.


publicado por ag às 11:58 | link do post

Falando de coisas alegres, já confirmei: «Lost in Translation» é o filme mais infeliz do mundo. E um dos mais belos também.


publicado por ag às 11:58 | link do post

Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2004
A propósito das ‘bolsas de criação literária’, os bolseiros do Estado são funcionários públicos? Se sim, como é que estes particulares privilegiados lidam com a greve? Aproximam-se do computador e decidem: ‘hoje não escrevo uma linha’? E os sindicatos, já terão números do sector?


publicado por ag às 11:02 | link do post

Há duas ou três semanas, participei no ‘Livro Aberto’, o óptimo programa televisivo do Francisco, a fim de discutir as ‘bolsas de criação literária’. Devido ao meu vasto talento oratório, acendi uma velinha para que ninguém reparasse na emissão em causa, apesar das inúmeras vezes que a NTV e a RTP a repetem. Ao fim de uma semana de repetições e de velinhas, a prece parecia ter resultado, já que nenhuma criatura, fora de um restrito e compreensivo círculo, mencionou o assunto. Infelizmente, por estes dias, alguém se terá lembrado de retransmitir a coisa: ontem, o casal Quevedo, toldado pela habitual simpatia, deu-me os parabéns (!), e hoje, a empregada de um café confessou, entre risinhos tontos, que me havia ‘visto na televisão’.

Quer dizer, pelos vistos tornei-me uma espécie de celebridade menor - tipo uma Rute Marlene ou uma Janita Salomé. Pelos vistos, e sem que o Francisco e os demais intervenientes no dito ‘Livro Aberto’ nisso tenham qualquer responsabilidade, pelas piores razões - tipo uma Rute Marlene ou uma Janita Salomé. As velas já foram para o lixo.


publicado por ag às 11:02 | link do post

John Ford (o realizador) chamava à greve um ‘socialist nonsense’. ‘Nonsense’ dele: para mim, dia de greve geral é dia de festa. Agora que os circos entraram em definitivo declínio, haverá melhor espectáculo que as habilidades dos sindicalistas com os ‘números da adesão’? Quem não aprecia ver um bom delegado da CGTP, invariavelmente de ‘kispo’, afirmar que a ‘greve no ensino é um enorme sucesso, como aliás se comprova pelo encerramento da EB 2/3 nº 235 do Barreiro’?

Apenas acho que a greve pode ter um efeito pernicioso para os funcionários públicos. Tirando, para quem precisa, os comboios e autocarros, o cidadão médio chega ao fim de um dia da ‘Geral’ e não dá pela falta de nada. Fechou um centro de saúde, dez tribunais, cem liceus? E quando estão abertos, nota-se a diferença? Um Governo a sério tiraria daqui as devidas conclusões: quando os sindicatos anunciassem, todos pândegos, que a adesão à greve rondara os 92,45% de ‘trabalhadores’, o Estado deveria sentir-se autorizado a despedir 92,45% dos respectivos funcionários, mais ronda menos ronda.

Caso contrário, e citando 92,45% dos pensionistas idosos, isto assim não vai a lado nenhum - mas nós divertimo-nos à grande.


publicado por ag às 11:00 | link do post

Quinta-feira, 22 de Janeiro de 2004
Do que eu gosto, assim gostar arrebatadamente, é das crónicas de Pedro Strecht no «Público». Às vezes, vêm em prosa, e aí uma pessoa contorna-as com agilidade. Mas quando são Poesia, com justíssimo ‘P’ maiúsculo, até me arrepio. E não falha, corto com parcimonioso cuidado a página em questão, guardo-a no bolso e, à primeira oportunidade - jantar de amigos ou sarau cultural -, irrompo pela conversa adentro com uma mão na folha e outra ao vento, proclamando, por exemplo:



«Vocês tiram-me o pão para a boca

logo a mim, que mais não tenho

que esse alimento amargo, feito dor

pelo corpo do meu filho, desvirtuado

que engole em seco a mágoa, toda a tristeza

sem qualquer lamento, a vergonha esquecida

‘tome pai, aqui o tem’

que a noite, agora, é já silêncio.»



Lindo. Infelizmente, ainda preciso de cábula, o que retira um poucochinho do dramatismo à cena. O único poema que recito de cor é aquele do Décio Pignatari que começa assim:



«ra terra ter

rat erra ter

rate rra ter

rater ra ter

raterr a ter

raterra terr»


publicado por ag às 16:34 | link do post

Quarta-feira, 21 de Janeiro de 2004
Justíssima a demissão de Robert Kilroy-Silk pela BBC. Relembro que o dito senhor, em artigo do «Sunday Express», havia afirmado que nós, ocidentais, ‘não devemos nada aos árabes’, difamando ainda esse nobre povo de ‘bombistas suicidas, amputadores de membros e repressores das mulheres’. Pulha! Para cúmulo, sugeriu que os árabes nunca inventaram nada ‘que não tivéssemos conseguido sem eles’. Não? E a cegonha do poço? E a Mecca-Cola? Para não falar do número zero, que até daria à coisa um carácter premonitório, não fora ter sido descoberto pelos hindus.


publicado por ag às 15:43 | link do post

Com o enorme interesse do costume, hoje não li a crónica do prof. Fernando Rosas no ‘Público’. Com o enorme interesse do costume, perdi cinco minutos com a rotineira dúvida: o prof. Rosas é o cachimbo ou o sujeito que está por detrás?


publicado por ag às 15:29 | link do post

Vi na CNN as ‘primárias’ democratas do Iowa e reconfirmei, tristemente, a falsidade americana. Nos EUA, land of the free, um autêntico candidato a chefe de estado tem de preencher três requisitos básicos: ser homem, branco e possuir espessa cabeleira. Embora, concedo, a minha opinião possa estar condicionada pelo facto de ser português - logo habituado a presidentes pretas. Algumas delas carecas.


publicado por ag às 15:28 | link do post

Mas celebrar o Poeta Castrado (Não!) é só um exemplo da lusitana folia. Graças à blogosfera, vide o Matamouros, fiquei retroactivamente informado da crónica do sr. Miguel S. Tavares, que enfim trouxe para a análise política os prodigiosos achados de Lombroso na psicologia. Refiro-me, como os iniciados terão percebido, ao método da Contemplação da Tromba (CT).

Claro que a execução eficaz da CT exige-nos, à partida, um domínio quase cabalístico de conceitos, teorias gerais, teorias auxiliares e etc. Ou seja, não é para todos. Felizmente, é para o sr. Tavares - e dessa forma a sumidade, num ápice, apreende toda a Verdade sobre o terrorismo internacional ou o maquiavélico, embora simplório, carácter de George Bush. O sr. Tavares olha para a cara de Bush, e zás!, eis que desaba a hipocrisia do governo americano. O sr. Tavares fita Bin Laden, e pimba!, onde um leigo só vê moscas, barba e sujidade, ele descobre um génio arrebatador.

Em benefício das minhas pobres crónicas e da sociologia portuguesa, eu dava um bracinho para aceder à sabedoria do sr. Tavares, mas suspeito estar muito verde para uma CT em condições. A título de teste, experimentei contemplar a tromba do próprio sr. Tavares. Não fui a lado nenhum. Arriscando sujeitar-me à galhofa colectiva, confesso que apenas vi um sujeito de meia-idade, de aspecto sensato, provavelmente alfabetizado e, talvez, razoavelmente culto.

Pronto, gozem à vontade: foi o que me pareceu, que querem? Eu avisei que a CT dá um trabalhão dos diabos, e que tentar aplicá-la sem fundos conhecimentos descamba na anedota. Estava na cara.


publicado por ag às 15:27 | link do post

Uma pessoa termina as férias; percorre milhares de quilómetros em aviões diversos; entra em casa; hesita entre desfazer as malas ou ligar a televisão; como qualquer liberal imbecil, opta pela televisão. E? E depara com o sr. Júlio Isidro a comandar uma homenagem a Ary dos Santos. Só então uma pessoa percebe mesmo que voltou a Portugal. A recorrente lágrima começa a rolar e o ânimo passa de moderato cantabile a andante lugubre. É assim.


publicado por ag às 15:23 | link do post

mais sobre mim

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Últimas

Dias Contados

A crónica do DN

A crónica da Sábado

Juízo Final

Dias Contados

2008, um lugar

2008, um filme

2008, um livro

2008, um disco

Juízo Final

Arquivo morto

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Outubro 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

tags

crónicas da sábado

crónicas do dn

involução da espécie

todas as tags

Outros
blogs SAPO
RSS